31 outubro 2009

Bombeiros resgatam cachorro em rio de São Paulo Animal atende pelo nome de Pedro José e caiu no Rio Tamanduateí. Resgate mobilizou bombeiros e causo

Foto: Felipe Branco Cruz/ AE

Homens do Corpo de Bombeiros trabalham no resgate do cachorro sem raça definida, que atende pelo nome de Pedro José na manhã deste sábado (31). O cão caiu no Rio Tamanduateí, na região da Avenida do Estado, Zona Norte de São Paulo. O animal pertencente a um morador de rua. A mobilização causou lentidão no trânsito. (Foto: Felipe Branco Cruz/ AE)

26 outubro 2009

Família Franciscana do Brasil: 2009/2012



Foi eleita na manhã deste sábado, 24 de outubro, na Casa de Retiros São Francisco, no bairro de Brotas, em Salvador - BA, a nova diretoria da Família Franciscana do Brasil, que está reunida na XV Assembleia Geral Ordinária e comemorando também seus 15 anos de fundação. Eis os (as) eleitos (as):

Triênio 2009-2012
CONSELHO DIRETOR
Diretora Presidente: Irmã Petronila Souza Soares, SMIC (PA);
Diretora Vice-Presidente: Irmã Jacinta Bichiling, Franciscanas de Dillingen (RJ);
Conselheiros:
Frei Érderson Queiroz, OFMCap. (MG);
Vanderlei Suélio Gomes, OFS (GO);
Irmã Maria Flávia de Brito, Franciscana de Dillingen (PB).

Suplentes do Conselho Diretor:
Frei Rubival Cabral, OFMCap (BA);
Irmã Carmen Polo, Franciscanas de Ingolstad.

CONSELHO FISCAL
José Cavalcante Bezerra, OFS (DF);
Nivaldo Moreira da Silva, OFS (GO);
Irmã Luzia Pereira Nunes, FPCC

Suplente do Conselho Fiscal:
Irmã Tereza Albanez, Filhas da Divina Providencia.

Desejamos sucesso p/ tds os eleitos e que Deus vos abençoe.
Em breve, o resumo completo de toda a XV Assembleia Geral da Família Franciscana do Brasil.
Fraternalmente.

Jackson dos Santos Barbosa, OFS/JUFRA

Secretário Fraterno Nacional

21 outubro 2009

Pesquisa afirma que a cada 72 horas, uma criança é moestada na região

"Sempre que minha mãe saía ele fazia isso". O depoimento é de uma adolescente vítima de abuso sexual aos 10 anos de idade, obrigada a guardar segredo.

"Ele me batia, me ameaçava. falava que seu eu contasse para alguém ia fazer a mesma coisa com minhas irmãs de 8 anos". Nos últimos cinco anos a polícia da região de Sorocaba ouviu depoimentos semelhantes a esse de 522 crianças e adolescentes.

Na maioria dos casos, a pedofilia começou com pessoas que se aproximaram com gentileza, demonstrando muito carinho. Quando eram amigos de famílias pobres, ganharam a confiança das vítimas com dinheiro ou presentes.

Em Alumínio, um exemplo: os mais de duzentos jovens que participavam do Projeto de Futsal da prefeitura foram surpreendidos com a prisão de um professor de educação física. Vários garotos foram envolvidos no abuso sexual após receberem chuteiras de presente e promessas de que jogariam em clubes famosos. O crime foi em agosto de 2008. No computador do agressor imagens de menores nus e cenas de abuso sexual foram encontradas.

A pedofilia sempre chega em famílias que não dão atenção adequada aos filhos.

Por dinheiro, adolescentes de Salto se deixaram envolver por Januário Renna, de 62 anos. O ex-secretário municipal de Administração de Sorocaba. Ele foi flagrado em um motel, em Itu, com três menores. Ele foi um dos primeiros pedófilos do país que vai responder na Justiça sob o rigor da nova lei, aprovada em agosto deste ano. Agora, quem molesta crianças menores de 14 anos pode ficar de 8 a 15 anos na cadeia.

O que fazer quando, o pai, em vez de ausente, é o próprio agressor?

Segundo a psicóloga Walquiria Salinas, a pedofilia causa danos para o resto da vida. Ela provoca a chamada desintegração da personalidade, onde as vítimas se sentem culpadas.

A internet abriu imensas possibilidades para os pedófilos. Os pais desatentos não percebem as abordagens às crianças que entram em sites de relacionamentos.

A liberdade vigiada é a única arma de quem ama e protege os filhos, mas o perigo está onde menos se espera. Em Porto Feliz, a babá cuidava bem dos dois filhos da patroa, mas o marido da babá era pedófilo e conseguiu cometer o abuso sexual. A patroa só descobriu o crime depois que a babá pediu demissão. A polícia descobriu mais tarde que o agressor também abusou dos próprios filhos.

Pelas estatísticas da polícia, a cada 72 horas uma criança da região é molestada e tem seu destino modificado para sempre. Quem pode salvar um inocente de um adulto que não consegue controlar seus impulsos e na busca por prazer pode destruir vidas?

Segundo a ONG Safer Net Brasil, que combate crimes e violações dos direitos humanos pela internet, o nosso país é um dos principais consumidores de pornografia infantil do mundo.

Só em fevereiro deste ano, a ONG recebeu mais de 5 mil denúncias de casos de pornografia infantil. Há 13 mil sites de pedofilia na internet. Mais de 80% estão em sites de relacionamento.

Seminário contra pedofilia

Cerca de trezentas pessoas participaram na quinta-feira das conferências da segunda Semana Municipal de Combate a Pedofilia, em Sorocaba. Nesta sexta o assunto voltou a ser discutido em um encontro na Associação Crianças de Belém. A semana foi instituída por lei com o objetivo de conscientizar a população e discutir o atendimento às crianças e adolescentes vítimas da pedofilia.


Em Porto Feliz foi instituido a Semana de Combate a Pedofilia. A cidade ultimamente tem sido destaque nos notíciários regionais sobre casos de Pedofilia. e poder público já está esboçando reação preventiva. Lei sancionada recentemente:



LEI Nº. 4.750 DE 28 DE SETEMBRO DE 2009.

INSTITUÍ A “SEMANA MUNICIPAL DE COMBATE À PEDOFILIA” E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PL 78/2009 Processo 3987/1/2009 – Ver. José Geraldo Pacheco da Cnha Filho - DEM

CLÁUDIO MAFFEI, PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO FELIZ, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte lei:

Art. 1º - Fica instituída a “Semana Municipal de combate à Pedofilia”, no âmbito do município de Porto Feliz, a ser realizada, anualmente, no período de 06 a 12 de outubro.

Art. 2º - A data ora instituída passará a constar do calendário oficial de eventos do município e da Câmara de Vereadores.

Art. 3º - VETADO

Art. 4º - As despesas com a execução da presente Lei correrão por conta de verba orçamentária própria.

Art. 5º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO FELIZ, 28 DE SETEMBRO DE 2009.

CLÁUDIO MAFFEI

PREFEITO MUNICIPAL

PUBLICADA E REGISTRADA EM LIVRO PRÓPRIO DA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO

EM 28 DE SETEMBRO DE 2009.

DANIELE CAMPOS DE CAMARGO

DIRETORA DE ADMINISTRAÇÃO

20 outubro 2009


Esta é uma séria que aborda a realidade da mulher na Idade Média.
Texto dividido em diversos dias, para leituras rápidas e não cansativas.


MulherFlor1.jpg (373×370)

A MULHER NA IDADE MÉDIA


Por AZEVEDO, Fernanda Carminati Zambrotti.

Apostolado Veritatis Splendor: A MULHER NA IDADE MÉDIA.

Como nunca antes a mulher foi ouvida: imaginemos o Papa escutando e atendendo Santa Catarina de Senna. Já imaginaram o Rei da França recebendo uma jovem camponesa e dando atenção aos seus conselhos a ponto de confiar a ela um exército? Difícil imaginar isso em nossos dias, mas foi exatamente isto que aconteceu com Santa Joana D'Arc.

19 outubro 2009


Esta é uma séria que aborda a realidade da mulher na Idade Média.
Texto dividido em diversos dias, para leituras rápidas e não cansativas.


MulherFlor1.jpg (373×370)

A MULHER NA IDADE MÉDIA


Por AZEVEDO, Fernanda Carminati Zambrotti.

Apostolado Veritatis Splendor: A MULHER NA IDADE MÉDIA.


Santa Hildegard de Bingen, escreveu os mais conhecidos tratados de medicina do século XII no ocidente; compôs também mais de setenta sinfonias, além de escritos de espiritualidade e teologia. A abadessa Hrotsvitha tem conhecida influencia literária sobre os países germânicos, a ela são atribuídas seis comédias em prosa rimada.

18 outubro 2009


Esta é uma séria que aborda a realidade da mulher na Idade Média.
Texto dividido em diversos dias, para leituras rápidas e não cansativas.


MulherFlor1.jpg (373×370)

A MULHER NA IDADE MÉDIA


Por AZEVEDO, Fernanda Carminati Zambrotti.

Apostolado Veritatis Splendor: A MULHER NA IDADE MÉDIA.


È claro que muitos poderiam questionar que na idade média havia ainda uma predominância masculina, claro, isso derivou dos séculos em que a sociedade marginalizou a mulher. Mas o que é interessante notar, e é incontestável frente aos fatos, é que Igreja lutou pela mulher, a educou como nunca antes: "Na Idade Média, algumas universidades, e, muito particularmente a universidade de Bolonha, tinham admitido, do século XII ao século XVII, algumas mulheres, e chegaram a oferecer cátedras de direito a diplomadas femininas como, por exemplo, Magdalena Buonsingnori, Betina Calderini e Bettesta Gozzadini."-(Sullérot 1970, p.l 10).

Notinhas da Igreja


Missas/celebração de domingo à noite:


Nossa Senhora Aparecida 18h
Igreja Santa Rita 19h30m
Igreja São José e São Bento 19h30m

Igreja Mãe dos Homens 19h

Igreja São João Batista 19h



Segunda-feira

Missa na Capela do Calvário no Cemitéiro velho 7h15m
Grupo de Oração Bom Pastor 13h Igreja Mãe dos Homens
15h Missa na Igreja Mãe dos Homens
19h30m Hora Santa na Capela do Colégio as 19h30m
19h30m Reunião da Fraternidade São Maximilano Kolbe (Movimento de Assis)
19h30m G. O. Jesus Caminho Verdade e Vida/RCC Ig N S das Graças

Igreja Nossa Senhora Aparecida, secretaria Paroquial atendimento as 13h




Terça-feira
15h Missa na Igreja de são Benedito
19h30m Missa na Capela do Colégio São José
19h30m G.O. Sagrada Familia/RCC Igreja N S Aparecida
19h30m G.O. S F de Assis/RCC Igreja São Francisco de Assis
19h30m G.O. Fonte de Água Viva Igreja Mãe dos Homens




Fé e Política
Pe Chico está engajado em constituir um grupo forte e perseverante para a Pastoral de Fé e Política. Ele está acionando o Movimento dos Focolares de Itu, que está fazendo uma formação a respeito. O Movimento dos Focolares tem engajamento na Política.




Junfec
Os trabalhos continuam com os Mms multiplicadores missionários do Emaús. A idéia é colocar um casal de Porto Feliz, para acompanhar esta Pastoral Jovem, que se reunem as 17h de cada sábado na igreja Matriz de Nossa Senhora Aparecida.



Vamos lá…

convite

Jornada Jovem dos Focolares
Vai acontecer no domingo dia 25, a jornada jovem do Movimento dos Focolares. Encontro que conta com jovens de outras religiões também, e jovens católicos de toda parte do Brasil.
Informações Sara 3262 2290




Entrevista
Na Canção Nova, aconteceu uma entrevista com os Frei Vitório Mazzurco e Frei Antonio Moser, falando de São Francisco de Assis e do texto Reencantar a Vida. O programa foi em Pauta.

17 outubro 2009


Esta é uma séria que aborda a realidade da mulher na Idade Média.
Texto dividido em diversos dias, para leituras rápidas e não cansativas.


MulherFlor1.jpg (373×370)

A MULHER NA IDADE MÉDIA


Por AZEVEDO, Fernanda Carminati Zambrotti.

Apostolado Veritatis Splendor: A MULHER NA IDADE MÉDIA.


Existiam mulheres em variados cargos e encargos da sociedade, a historiadora Regíne Pernoud assevera- "Através de documentos, pôde-se constatar a existência de cabeleireiras, salineiras (comércio do sal), moleiras, castelãs, mulheres de cruzados, viúvas de agricultores, etc."-.

A Socióloga Évelyne Sullérot afirma que quase todas as profissões foram acessíveis às mulheres nos séculos X, XI, XII, XIII e XIV.


Esta é uma séria que aborda a realidade da mulher na Idade Média.
Texto dividido em diversos dias, para leituras rápidas e não cansativas.


MulherFlor1.jpg (373×370)

A MULHER NA IDADE MÉDIA


Por AZEVEDO, Fernanda Carminati Zambrotti.

Apostolado Veritatis Splendor: A MULHER NA IDADE MÉDIA.


Grandes lideranças, como Santa Joana D`arc, Santa Catarina de Senna. Grandes intelectuais como a abadessa Herrade de Landsberg, que é autora da mais conhecida enciclopédia do século XII; e Santa Brígida que fundou inúmeros mosteiros. Existiam mulheres no posto de "senhor feudal. Existiam as abadessas, a filha de Santa Edwiges, Gertrudes, era abadessa; e muitas outras, que eram até mesmo superioras não só de mosteiros femininos, mas também masculinos, como a abadessa Pétronille de Chemillé. .

16 outubro 2009

mensagem para você

Sejamos como o sol que não visa nenhuma recompensa, nenhum elogio, não espera lucros nem fama, simplesmente brilha!


Não devemos dar apenas o que temos, devemos também dar o que somos.



Esta é uma séria que aborda a realidade da mulher na Idade Média.
Texto dividido em diversos dias, para leituras rápidas e não cansativas.


MulherFlor1.jpg (373×370)

A MULHER NA IDADE MÉDIA


Por AZEVEDO, Fernanda Carminati Zambrotti.

Apostolado Veritatis Splendor: A MULHER NA IDADE MÉDIA.


Importantes figuras femininas insurgiram na Idade Média, precisamente pelo fato de que este foi um período áureo da sociedade católica, onde Igreja exercia grande papel na vida social e cotidiana:

Rainhas como Branca de Castela, e Eleonora de Aquitânia, exerceram legitimamente sua autoridade de governantes, na ausência do rei (morto ou doente). A coroação de uma Rainha era de grande solenidade, tal como a dos reis, geralmente acontecia em uma catedral.

15 outubro 2009



Esta é uma séria que aborda a realidade da mulher na Idade Média.
Texto dividido em diversos dias, para leituras rápidas e não cansativas.


MulherFlor1.jpg (373×370)

A MULHER NA IDADE MÉDIA


Por AZEVEDO, Fernanda Carminati Zambrotti.

Apostolado Veritatis Splendor: A MULHER NA IDADE MÉDIA.

A história da mulher na idade média é sempre ocultada e distorcida, bem como toda a história da idade média. Alguns chegam ao absurdo de dizer que neste tempo da história era considerado que a mulher não possuía alma. Estranhamente vemos neste período um dos de maior devoção a Santíssima Virgem Maria; quantos não foram os artistas a retratarem-Na majestosamente? Além do que, se fosse do pensamento da Igreja que a mulher não tivesse alma, porque ministrava a elas os sacramentos? Ou porque se difundiam tantas ordens religiosas dedicadas às mulheres?

Série São Francisco de Assis

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/outubro/imagens/dia-de-sao-francisco-de-assis-22.jpg
A PÁSCOA DE SÃO FRANCISCO

Entre 1225 e 1226, tivemos os últimos escritos de São Francisco, dentre eles o Cântico das Criaturas e o Testamento. Nestes mesmos dois anos, Francisco vai a vários lugares da Itália para tratar de suas vistas.

http://2.bp.blogspot.com/_EUq-KmVMUZo/Sc0Z6WXpWrI/AAAAAAAABnI/j0NYVxBFTTU/s400/A+morte+de+S%C3%A3o+Francisco.jpg

Passa por diversas cirurgias. Morre aos 03 de outubro de 1226, num sábado. Morreu nu aquele que começou a vida de conversão nu na praça de Assis diante do bispo, do pai e amigos. Morreu ouvindo o Evangelho de João, onde se narra a Páscoa do Senhor, aquele que recebeu os primeiros companheiros após ouvir o Evangelho do envio dos apóstolos. Foi sepultado no dia 04 de outubro de 1226, Domingo, na Igreja de São Jorge, na cidade de Assis.

Aos 16 de julho de 1228, Francisco foi canonizado pelo papa Gregório IX. Aos 25 de maio de 1230, os ossos de São Francisco foram levados da Igreja de São Jorge para a nova Basílica construída para ele, a Basílica de São Francisco, hoje aos cuidados dos Frades Menores Conventuais.

(Textos de Frei Mauro Odones, OFM, publicados no Boletim “Vocacionando”, nn. 1-14 e 16, de abril de 1997 a dezembro de 2000)

14 outubro 2009

http://2.bp.blogspot.com/_uGLtSsnGUkI/SVruGvvLCSI/AAAAAAAABGU/Uyq92xz8QR8/S660/800.bmp


Você gostaria de SER franciscano secular?

Faço sempre essa pergunta para as pessoas e a resposta, muitas vezes, vem em forma de pergunta, também: mas o que é que franciscano secular FAZ?

E eu respondo: NADA.

Por que será que a gente sempre confunde esses dois verbos?

Muitas vezes, quando nos perguntam quem somos, respondemos o que fazemos. Até o Chico se tornou “Xyco do SAAE”.

Mas, voltando ao assunto, franciscano secular não faz, ele é. A gente é franciscano.

A gente precisa lembrar sempre que tudo o que a gente faz, depende do que a gente é. Quando a gente é feliz, realizado, consciente dos defeitos e qualidades que tem - tudo o que fazemos é bom, é verdadeiro, é fértil.

Ser franciscano é viver o Evangelho de Jesus e que encantou um certo jovem chamado Francisco. Ser franciscano secular é viver o Evangelho de Jesus e que encantou um certo jovem chamado Francisco, aqui, no mundo, dentro das nossas casas, entre nossos amigos, na nossa família, no nosso ambiente de trabalho. Isso já é bastante, não acha?

Quando eu faço a opção de ser franciscano secular, busco a realização do meu ser que foi, um dia, chamado a viver dessa forma. E aí, o que quer que eu faça, perpassa por esse meu ser franciscano: sendo professora, sou franciscana secular; lidando com meus problemas, sou franciscana secular; me divertindo com meus amigos, sou franciscana secular; como agente pastoral, sou franciscana secular.

Talvez eu deva mudar a resposta que dou para aquela pergunta.

Quando perguntarem: o que é que franciscano secular FAZ?

Vou responder: alguém que decide SER franciscano secular, FAZ a diferença, pois escolheu, para si, viver o Evangelho de Jesus Cristo dentro da proposta de São Francisco de Assis.

E então?

Você gostaria de SER um franciscano secular?

Ama-se mais o que se conquistou com esforço.
Aristóteles


Encontro jovem


Olá galera paz e bem!

Quanto vale uma alma? Você já se questionou?
O Confia Jovem está chegando e você pode ajudar alguém a trilhar o caminho do Senhor, o que você acha disso?
A palavra de Deus diz: "... a pessoa que reconduz um pecador do caminho errado, salvará a si mesma da morte e cobrirá uma multidão de pecados." (Tg 5,20)
Seja um instrumento nas mãos do Senhor.

Todos os anos, colocamos o logo do Confia Jovem no lugar da nossa foto no Orkut e no MSN, e temos muitos resultados positivos.

Segue o logo e a ficha de inscrição, peço que envie para todos os seus contatos e peço que peçam a eles fazerem o mesmo!

Peço a Deus que os abençõe e agradeço de coração pela ajuda nesta obra DELE.

Informações: www.rccsorocaba.org.br
(15) 3231-2507 // 8116-8448

Em Porto Feliz, nos grupos de Oração!!!

13 outubro 2009

Ação de Graças pelo Aniversário de Porto Feliz

Aconteceu no dia 13 de outrubro de 2009, a missa de Ação de Graças pelo Aniversário de Porto Feliz, na Igreja Matriz de Nossa Senhora Mãe dos Homens.

Estiveram presente, paroquianos, catequistas, educadores, diretores, Miguel Arcanjo diretor da Educação e Cultura de Porto Feliz, assim com também o Presidente da Câmara dos Vereadores de Porto Feliz Odélio Leite dos Santos. Houve filmagem parcial da Missa também.

Estivemos presente fazendo a cobertura desta Missa. Pe Toninho dentro de sua humildade, revelou já conhecer boa parte da História da Nossa Cidade, ao contrário da maioria das novas gerações de Portofelicenses.

Em sua homilía, destacou a importância das autoridades, educadores, administradores e o povo de Deus em geral, fazer tudo com a Presença de Deus, para que dê certo e a cidade seja abençoada e Próspera com a força e ajuda de Deus Altíssimo.

No final, realizou-se Consagração a Nossa Senhora Mãe dos Homens, padroeira de Porto Feliz.

Missa Presidida pelo Padre Toninho, Diácono Sívio e Benedito.














Paz e Bem

Série São Francisco de Assis



RECEBENDO JESUS
Em nosso número anterior, falamos que Francisco deu Jesus. Agora, vamos mostrar que Francisco recebeu Jesus. Estou me referindo a um fato importante: Francisco recebeu as chagas de Jesus crucificado em seu próprio corpo. É provável que isto ocorreu aos 17 de setembro de 1224, no Monte Alverne, um dos eremitérios dos frades.

Mas este fato foi um desfecho de outro fato que ocorreu próximo à conversão de Francisco. Refiro-me a janeiro de 1206. Foi a provável data em que o Crucificado falou com ele na igrejinha de São Damião. Fala-se que lá o Crucificado imprimiu as suas chagas no coração de Francisco. Portanto, o fato de 1224, no Monte Alverne, foi o desfecho do que ocorreu em São Damião, em 1206.

Nestas duas datas, Francisco recebe Jesus crucificado: primeiramente, as chagas no coração; depois, as chagas no próprio corpo. Assim, poderíamos dizer que a vida de conversão de Francisco foi marcada pela Cruz do Senhor, no começo (1206) e próximo ao fim (1224). Portanto, após esta constatação, é interessante verificar alguns fatos marcantes na vida de Francisco entre estes dois fatos.


12 outubro 2009

Acontecerá no dia 15,
a missa mensal em devoção a
Nossa Senhora Mãe dos Homens

Local igreja matriz
Nossa Senhora Mãe dos Homens
no centro de Porto Feliz, às 19h !!!

História


Nossa Senhora da Conceição Aparecida


Entre os Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo corre o Rio Paraíba. Em meio às suas curvas há um trecho onde seu caminho forma um grande “M”, muito visível do alto de uns morros que se erguem por perto.

Na segunda quinzena de outubro de 1717 o Conde de Assumar, Dom Pedro de Almeida, nomeado Governador da Capitania de Minas Gerais e São Paulo, veio tomar posse da terra de Piratininga. Depois da posse partiu para Minas Gerais, devendo passar por Guaratinguetá. A Câmara local tomou as providências para a recepção ao Governador. Foram enfeitadas as casas e convocados os pescadores para que arranjassem muito peixe para a caravana do Conde.

Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe Pedroso eram alguns dos pescadores responsáveis pela pesca. Os três estavam juntos em suas canoas. Começaram a lançar as redes no porto de José Correa Leite e foram rio acima, até o porto de Itaguaçu. Foi uma longa distância percorrida, mas não pegaram um só peixe. Nesse porto, onde o Paraíba forma o “M”, João Alves lançou sua rede de arrasto, certo de que ela não voltaria vazia. Para surpresa dos três, no fundo da rede havia um objeto de cor escura, com pouco mais de um palmo e aparência de uma pequena imagem. Lavada, viram uma escultura, representando Nossa Senhora da Conceição. Infelizmente, a imagem não tinha cabeça. Atirada novamente a rede e arrastando-a no fundo do Rio, João Alves conseguiu, com muita alegria, encontrar a cabeça da estatueta. Talvez a pesca do corpo e da cabeça da mesma imagem tenha sido o primeiro “sinal” de algo de extraordinário para João Alves. Ele tomou os pedaços, corpo e cabeça da imagem, envolveu cuidadosamente em um pano e guardou. Até então não haviam pescado peixe algum. Mas não desistiram. Lançaram novamente a rede e... que maravilha! Em pouco tempo pescaram tão grande quantidade de peixes que ficaram com medo de naufragar. Por isso retornaram às suas casas admirados. Seria esse o segundo “sinal” de algo estaria por suceder?

A imagem era, de fato, de Nossa Senhora da Conceição, medindo, no total, 40 cm de altura, feita de terracota, uma argila que, depois de modelada, é cozida em forno apropriado. Era talhada em estilo rústico, com traços marcantes de piedosa simplicidade, de cor escura, devido ao longo tempo em contato com o fundo lamacento do rio Paraíba. Hipoteticamente, ela teria, originalmente, uma policromia (uso de várias cores), como era costume na época, mas não há documentos que comprovem. Quando foi pescada, o corpo estava separado da cabeça e, muito provavelmente, sem a policromia original, devido aos anos em que esteve mergulhada nas águas e no lodo do rio. A cor acanelada, com que hoje é conhecida, deve-se ao fato de ter sido exposta, durante anos, ao picumã (fuligem) das chamas das velas e dos candeeiros. Seu estilo é seiscentista (século XVII), como atestam alguns especialistas que a estudaram, entre os quais o Dr. Pedro de Oliveira Ribeiro Neto, os monges beneditinos do mosteiro de São Salvador, na Bahia, Dom Clemente da Silva Nigra e Dom Paulo Lachenmayer. Em 1978, após o atentado que a reduzira em quase duzentos fragmentos, foi encaminhada ao Prof. Pietro Maria Bardi - na época diretor do Museu de Arte de São Paulo - que a examinou, juntamente com o Dr. João Marinho, colecionador de imagens brasileiras. Foi totalmente reconstituída pela artista plástica Maria Helena Chartuni, na época, restauradora do Museu de Arte de São Paulo. Ainda conforme estudos dos peritos mencionados, a imagem foi moldada com argila paulista, da região de Santana do Parnaíba, situada na Grande São Paulo. O mais difícil foi determinar o autor da pequena imagem, pois não está assinada ou datada. Assim, após um estudo comparativo, os peritos chegaram à conclusão de que se tratava de um escultor, discípulo do monge beneditino Frei Agostinho da Piedade, e também seu colega de Ordem, Frei Agostinho de Jesus. Caracterizam seu estilo a forma sorridente dos lábios, o queixo encastoado, tendo, no centro, uma covinha; o penteado, flores em relevo, nos cabelos, broche de três pérolas na testa e porte empinado para trás. Todos estes detalhes se encontram na Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, e, por isso, concluíram os peritos, Dom Clemenente da Silva Nigra e Dom Paulo Lachenmayer, que a Imagem foi esculpida pelo monge beneditino Frei Agostinho de Jesus, ceramista sacro do período seiscentista brasileiro, que viveu entre 1600 e 1661.

Chegando ao Porto, Filipe Pedroso levou a imagem para sua casa, perto de Lourenço de Sá, onde a conservou por uns seis anos, mais ou menos. Já no dia seguinte, Filipe iniciou a construção de um oratório onde se colocaria a imagem. Depois, passando para a Ponte Alta, continuou com ela, em sua casa, por mais uns nove anos. Passou a morar no Itaguaçu, onde deu a imagem a seu filho Atanásio Pedroso.

Atanásio, então, fez uma capelinha e, sobre um altar de pau, colocou a imagenzinha da Senhora. Indício de que a devoção à imagem da Senhora começava a tomar conta das pessoas foi a construção da capelinha para abrigá-la. Aí, todos os sábados, a vizinhança se juntava para cantar o terço e mais devoções diante daquela a quem, por não saberem o nome, passaram a chamar simplesmente de “Aparecida”. Foi nessa capelinha que fatos estranhos e prodigiosos começaram a acontecer.

Em certa ocasião, o povo estava reunido e rezando. Duas velas de cera da terra iluminavam a Senhora. A noite era serena e sem vento. Repentinamente, as duas velas se apagaram. Silvana da Rocha correu para acendê-las. Mas, sem a intervenção de qualquer um deles, as velas se acenderam novamente. Este foi o primeiro prodígio e o terceiro “sinal” de que algo mais estava para acontecer. Esses fatos provocaram grande alarde e a fama da pequena imagem começou a se espalhar rapidamente. O vigário da vila, Padre José Alves Vilela resolveu, então, oficializar o culto, construindo uma capela maior. Em 05 de maio de 1743, o Bispo do Rio de Janeiro concedeu autorização exigindo a construção com material durável e proibindo o pau-a-pique. Recursos não faltaram, pois já era grande o afluxo de pessoas.

Entre os inúmeros devotos de Nossa Senhora Aparecida, crentes de seu poder de sua magnanimidade, que se ajoelharam aos seus pés, conta-se que esteve o próprio Dom Pedro, quando de sua viagem a São Paulo, em 1822. Afirma-se que ele fez as suas preces e o voto de proclamar Nossa Senhora Aparecida como Padroeira do Brasil, se tudo acontecesse segundo seu desejo, em São Paulo. Deve-se assinalar que a proclamação oficial da Independência do Brasil teve a data de 08 de setembro de 1822, dia da Solenidade da Natividade de Nossa Senhora. De fato, Dom Pedro declarou Nossa Senhora Aparecida Padroeira do Brasil.

A construção da nova e linda capela se deu em pouco tempo, assim como rapidamente se espalharam os prodígios e a fama de Nossa Senhora Aparecida. Ao longo das paredes da nova capela, foram sendo afixadas as lembranças de curas e milagres.

No ano de 1868, dois ilustres romeiros vieram visitar a Capela de Nossa Senhora da Conceição Aparecida: a imperatriz, Princesa Isabel, e seu esposo, o Conde Dom Luiz D´Eu. A velha Capela, situada no alto do Morro dos Coqueiros, revestiu-se de uma nova pintura. A festa de Nossa Senhora era celebrada, então, unicamente no dia 08 de dezembro. A notícia da visita das Altezas Imperiais foi recebida com muito entusiasmo. A Princesa Isabel e o Conde D´Eu assistiram ao último dia da novena e à própria festa de Nossa Senhora, nos dias 7 e 8 de dezembro de 1868. Era costume a Mesa Administrativa nomear os festeiros para o ano seguinte da festa e, devido à presença singular da Princesa e do Conde, houve sessão da Mesa no próprio dia 08 de dezembro de 1868, deliberando, por unanimidade, as Altezas Imperiais como festeiros para o ano de 1869. Assim, a Princesa Isabel e o Conde D´Eu foram os últimos festeiros da festa tradicional de Nossa Senhora, pois a partir de 1869 a própria Mesa Administrativa encarregou-se de faze-la.

Está registrado no jornal Santuário de Aparecida, de 12 de fevereiro de 1921, que Dona Isabel e o Conde d’Eu chegaram à Capela às seis horas da tarde para assistirem à novena da festa de Nossa Senhora. Vieram a cavalo com uma grande comitiva. Dizem que Dona Isabel deu naquela ocasião a Nossa Senhora um riquíssimo manto com vinte e um brilhantes no valor de 18 contos de réis. A Princesa foi recebida no alto da colina, solenemente, por crianças vestidas com todo o mimo, que a saudaram com pétalas de rosas. A Princesa entrou na Igreja, orou e na Praça foi saudada por um escravo de nome Antônio, que ficara aos serviços do Padre Joaquim Pereira Ramos e que tocava perfeitamente o trombone, daí ser conhecido por Antonio trombonista. A Princesa Isabel esteve ainda mais uma vez em Aparecida, no dia 06 de novembro de 1884.

A história de Aparecida tem uma outra ligação profunda com a Princesa Isabel. No ano de 1857, um escravo fugiu de Curitiba e veio para Bananal, cidade de São Paulo, sendo preso e algemado. Ao passar pela Capela de Aparecida, pediu ao feitor licença para ver Nossa Senhora Aparecida. O feitor, renitente, negou - porém, condoído, consentiu. E ao fazer o seu pedido de clemência, de liberdade, o escravo se ajoelhou e ergueu os braços algemados e fez a prece - e a corrente caiu, tinindo no chão! Foi um dos primeiros milagres conhecidos de Nossa Senhora Aparecida a correr pelas vilas vizinhas e pela província. Hoje está pintado no forro da Basílica Nacional, em artístico trabalho de madeira, feito em estilo da época, pelo artista Chico Santeiro, para o “Museu Nossa Senhora Aparecida”. Uma grande corrente se encontra na parede da Sala dos Milagres. Quando aconteceu o milagre da libertação do escravo Zacarias, todos os escravos tinham a esperança, também, de serem libertos. Um outro escravo conseguiu autorização do feitor para entrar na Capela. Rezou e fez o mesmo pedido, mas a corrente não se abriu. Ele rezou tristemente e cheio de Fé. Levantou-se e descendo a antiga rua da Calçada, hoje ladeira Monte Carmelo, viu a comitiva da Princesa. O escravo ajoelhou-se e pediu a bênção e misericórdia. Dona Isabel ordenou, então, que o escravo fosse posto em liberdade. As algemas cairam pela segunda vez diante da Capela, por aquela que seria Redentora de todos os escravos do país.

Nas Atas da Capela de Nossa Senhora Aparecida, de 04 de janeiro de 1750, há o registro de um órgão, um relógio de parede, uma caldeirinha de cobre e o escravo Boaventura, mulato, com cerca de 44 anos, organista. Esse registro indica que o primeiro organista da Capela Nossa Senhora Aparecida foi um escravo. Quando houve o milagre do escravo descrito acima, o capanga que o acompanhava pediu ao Capelão de Nossa Senhora Aparecida, Padre Antonio Luiz de França Reis, que lhe desse um atestado sobre o acontecido e o levou ao fazendeiro em Curitiba. Este surpreendido, escolheu mais dois escravos, Lúcia Belin e João Belin e fez dos três presente a Nossa Senhora Aparecida. Zacarias, que foi o milagrosamente salvo, Lúcia e João viveram longos anos neste local, como descreve Padre Oto Maria em “Pontos Históricos com relação a Nossa Senhora Aparecida”. O mesmo Padre Oto Maria no “Santuário de Aparecida” de 14 de janeiro de 1922, registra que se deliberou “em contratar José Pires de Almeida para servir de organista nas missas que se celebravam nos dias de sábado em louvor a Nossa Senhora Aparecida, mediante a gratificação de dois mil réis, quando não possa ser por cada uma das ditas missas visto que o escravo da mesma Capela João Belin” e mais adiante “não poder continuar como até aqui tocando órgão”. Segundo relatos, João Belin tocava a ladainha de Nossa Senhora com um dedo da mão direita, enquanto a esquerda fazia ligeiro acompanhamento. Depois era o contrário: apenas tocava o acompanhamento com um só dedo enquanto que a mão direita fazia nascer os mais belos acordes.

Como não parava de aumentar o número de romeiros, julgou-se necessário a construção de um templo maior. Supervisionada por Frei Monte Carmelo, em 08 de dezembro de 1888 foi inaugurada a Igreja por Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho, Bispo de São Paulo, onde é hoje a “Basílica Velha”.

No ano de 1894, chegou a Aparecida um grupo de padres e irmãos da Congregação dos Missionários Redentoristas, para trabalhar no atendimento aos romeiros que acorriam aos pés da Virgem Maria para rezar com a Senhora “Aparecida” das águas.

O jornal Santuário de Aparecida, de 19 de novembro de 1921, registrando o falecimento da Princesa Isabel, diz que ela era “muito piedosa, um exemplo vivo para seu povo. Ela também foi muito devota de Nossa Senhora Aparecida. Aqui esteve uma vez, cumprindo nessa ocasião uma piedosa promessa a Nossa Senhora; doou também uma coroa de ouro, em 1884. A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi coroada, no dia 08 de setembro de 1904, por Dom José Camargo Barros, com a coroa doada pela Princesa, recebendo, também, o manto azul-marinho. Consta que a coroa de ouro ofertada era me forma de globo com uma cruz, toda cravejada de brilhantes”.

Decreto papal de 29 de abril de 1908 concedeu à igreja de Aparecida o título de Basílica. A consagração de Nossa Senhora Aparecida como padroeira do Brasil ocorreu em 31 de maio de 1931, em uma celebração que reuniu, já naquela época, um milhão de pessoas. Os padres redentoristas, responsáveis pelo Santuário Nacional de Aparecida, foram os grandes animadores da construção da Basílica que hoje abriga a imagem da Senhora. Em 1936 começaram estudos para a construção de uma nova sede do Santuário. Em forma de cruz e entrecortada por um “X”, a planta foi aprovada em 1949. Desde essa data até hoje, operários se revezam na construção. O conjunto total abrange 18.000 m2 de área coberta. O projeto grandioso teve início em 1955, com a concretagem da nave norte. Construído em forma de cruz, possui capacidade para abrigar 45.000 pessoas e possui uma infraestrutura especial para o atendimento de romeiros que procuram o lugar durante todo o ano para prestar culto à Padroeira.

Em 1967, ano da comemoração do jubileu dos 250 anos do aparecimento da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, o Papa Paulo VI ofertou ao Santuário Nacional da Padroeira do Brasil uma Rosa de Ouro, que era um presente oferecido pelo Papa em sinal de particular estima e para distinguir personalidades que prestavam relevantes serviços à Igreja, ou para honrar cidades, ou ainda para realçar Santuários extraordinários, como centro de grande devoção. Essa Rosa era artisticamente elaborada segundo o estilo da época. A entrega da honraria aconteceu na manhã do dia 15 de agosto daquele mesmo ano, com a presença de diversas autoridades civis e religiosas, entre elas o presidente Artur da Costa e Silva. Atualmente, a Rosa de Ouro encontra-se exposta na Exposição Rainha do Céu, Mãe dos Homens: Aparecida do Brasil no Museu Nossa Senhora Aparecida, no 1º andar da Torre Brasília.

No dia 04 de julho de 1980, o Papa João Paulo II, em missa celebrada no Santuário, consagrou a Basílica, que recebeu o título de Basílica Menor.

Hoje, multidões de peregrinos chegam para visitar aquela que um dia “apareceu” das águas do Paraíba. Apareceu para ficar para sempre.



DANDO JESUS CRISTO
As Regras de São Francisco começam assim: “A regra e a vida dos Irmãos Menores é esta: viver o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo...” Dar Jesus Cristo aos homens sempre foi o objetivo de São Francisco de Assis.

Podemos dizer que, aos 29 de novembro de 1223, ele deu Jesus Cristo aos Frades através da Regra, porque muitos se tornaram santos seguindo-a. Mais ou menos um mês depois, ele deu Jesus Cristo a toda a humanidade.

Refiro-me ao dia 25 de dezembro, data em que São Francisco celebrou o Natal com o presépio na cidade de Greccio.

De fato, como se diz deste acontecimento, naquela noite o Menino Jesus, que estava dormindo em muitos corações, acordou para muitos, graças à pregação de São Francisco.

Portanto, São Francisco deu Jesus Cristo a todos os homens e mulheres: aos frades e às clarissas, através das Regras; a todos os homens e mulheres, por meio do presépio.

11 outubro 2009

Oração

Oração

Senhora Aparecida, o Brasil é vosso!
Rainha do Brasil, abençoai a nossa gente!
Tende compaixão do vosso povo!
Socorrei os pobres!
Consolai os aflitos!
Iluminai os que não têm fé!
Convertei os pecadores!
Curai os nossos enfermos!
Protegei as criancinhas!
Lembrai-vos dos nossos parentes e benfeitores!
Guiai a mocidade!
Guardai nossas famílias!
Visitais os encarcerados!
Norteai os navegantes!
Ajudai os operários!
Orientai o nosso Clero!
Assisti os nossos bispos!
Conservai o Santo Padre!
Defendei a Santa Igreja!
Esclarecei o nosso Governo!
Ouvi os que estão presentes!
Não vos esqueçais dos ausentes!
Paz ao nosso povo!
Tranqüilidade para a nossa terra!
Prosperidade para o Brasil!
Salvação a nossa Pátria!
Senhora Aparecida, o Brasil vos ama, o Brasil em vós confia!
Senhora Aparecida, o Brasil tudo espera de vós!
Senhora Aparecida, o Brasil vos aclama!
Salve, Rainha!
Amém!



Oração de uma Clarissa


Senhor, fazei-me uma presença de paz
entre os homens agitados de hoje.

Fazei-me luz
na luz de Cristo.

Fazei-me caminho
Para os que buscam o Pai.

Fazei-me amiga
Das amigas irmãs que sofrem:

Que eu aprenda a dar
E a receber amor.

Fazei-me esperar paciente
Com os que perderam a esperança
De vosso reino.

Fazei-me irmã de todos
Os que têm o coração solitário.

Fazei-me virgem
Na constante purificação do meu amor
A Deus e aos homens.

Fazei-me um sinal de vossa Igreja
No mundo de hoje.

Fazei-me silêncio na plenitude interior.

Fazei-me toda oração e contemplação
Do vosso imenso amor.

Fazei-me corajosamente franciscana,
Autêntica filha de Santa Clara.

Ó Senhor,
dai-me a coragem
de conversão constante e profunda.

Que eu vos busque sem parar.

Que eu reze,
Ame e me renove,
Me encontre diariamente
Com minhas irmãs na oração,
Para construirmos a vivência da fraternidade
E da jubilosa partilha de tudo
No amor.

Amém!